Veterinário é Proibido de Atender Gratuitamente
25/02/2016
A Páscoa e o Perigo do Chocolate aos Cães
23/03/2016

Os Cães e a Terceira Idade

A presença de um animal de estimação em casa ou na vida de uma pessoa idosa é muito importante para o bem-estar psicológico, porque é uma fonte de estímulos. A relação que se cria com o animal ajuda a relaxar, distrair pensamentos, e, no caso de pessoas solitárias, torna-se uma fonte de carinho. Um cão, para um idoso, é um bom recurso. Chega a ser uma Terapia Pet completa, pois a partir do ponto de vista físico, exige um compromisso contínuo, diário, comprometendo a pessoa a sair e fazer exercício ao ar livre, levando-o fora para a caminhada, envolvendo-a em relações sociais, e, do ponto de vista psicológico, ter alguém para cuidar desperta a elasticidade mental.

Uma recente pesquisa mostrou que as pessoas mais idosas preferem cães mestiços, médios e pequenos ao invés de filhores. Os cães mais adultos são mais tranquilos e são uma companhia com maior serenidade.

Cuidar de um animal como o gato, que olha você nos olhos como um igual e que te segue quando você se move no quarto erguendo a cauda e miando para exigir atenção, ajuda a eliminar a sensação de inutilidade. O idoso que vive com um gato vê realmente melhorar a qualidade de sua vida, além, é claro, da menor probabilidade de um tropeção ou queda que um cachorro pode causar devido a sua maior hiperatividade.

terapia_petPor anos, tem sido clinicamente documentado que cães de estimação ajudam vovôs e vovós a viverem por mais tempo de forma saudável. Lares de idosos, assistentes sociais e prestadores de cuidados domiciliar recomendam animais de companhia aos idosos com a finalidade de levar uma vida saudável e dar-lhes a independência e a esperança. Estudos e pesquisas também indicam que existe uma verdadeira ligação entre a tutela de um cão e a taxa de aumento de sobrevida para pacientes com problemas cardíacos e outros benefícios potenciais para a saúde, tais como o controle da pressão arterial, redução do estresse e de perda óssea, redução dos níveis de colesterol e, por último, uma melhoria da circulação sanguínea.

Antes de comprar ou adotar um novo companheiro de quatro patas, é necessário entender a quantidade de dedicação que se deve ter para com os cuidados do bichinho. O idoso deve pensar de forma responsável, se eles terão o tempo o desejo de cuidar de um animal de estimação, tanto no aspecto físico como financeiro. Ser responsável por outra vida representa a capacidade de adicionar um novo significado à maneira de pensar sobre o dia a dia.

Em alguns lares para os idosos são aplicadas terapias com animais de estimação, em especial com cães. As iniciativas definidas como “atividades assistidas por animais”, fornecem atividades semelhantes aquelas que os idosos poderiam desempenhar em suas casas. Elas incluem a presença dos animais como suporte para aos fármacos, para melhorar as funções sociais e emocionais das pessoas envolvidas nas atividades. A presença dos animais nas estruturas, seja um asilo ou hospital, é muito importante porque constitui um excelente estimulante em caso de falta de motivação, tristeza e depressão latente. O fato de cuidar de um animal promove a autoestima e o senso de responsabilidade, assim como permite a socialização com os outros idosos ou pacientes. Muitas vezes, em estruturas modernas, o operador usa gatos ou cães como mediadores sociais e graças a eles o idoso se abre e aceita interagir com outras pessoas.

O tempo diminui a velocidade dos sentidos, diminui a visão e a audição, mas o tato permanece. E os idosos sentem uma necessidade maior de serem tocados e de tocarem. Acariciar o pelo macio de um gato e sentir sua presença na cama, satisfaz a necessidade tátil. Muitos, inclusive, se recusam a entrar em uma casa de repouso para evitar de deixar o gato ou o cachorro e, no momento, infelizmente os costumes e as leis brasileiras não ajudam a suprir essas necessidades. Os animais de estimação também colaboram na ajuda às pessoas que tem dificuldade de movimento, porque mesmo aqueles que pensam não conseguir fazer um pouco mais de movimento, tendo um animal perto, se sentem encorajados a movimentarem-se para chegar perto dele e acariciá-lo. O efeito calmante garantido pela proximidade de um animal significa que aqueles que possuem pressão arterial elevada, podem ter uma redução do problema quando se une o pet com uma alimentação saudável. A consequência é a redução da medicação, e, em seguida, excelentes benefícios físicos e psicológicas.

animais-e-idososTodos os dias os animais trazem o amor, o riso e o companheirismo para as pessoas idosas em todo o mundo. Um cão ou um gato de estimação são, de fato, capazes de oferecer às pessoas solitárias uma sensação de bem-estar, de incentivo e, até mesmo, uma razão para vida de modo totalmente desinteressado, sem exigir nada além de carinho e atenção.

14 Comentários

  1. Altamar Cezar disse:

    Parabéns pelo artigo. Gosto muito de ler. São sempre instrutivos.

  2. Anônimo disse:

    Não compreendo porque existem ainda locais públicos que procuram barrar a entrada desses animais, apesar da existência da lei. Me comoveu muito uma reportagem sobre uma senhora cega cadeirante que perdeu a labrador que a acompanhava. A pessoa parou de viver, perdeu a mobilidade. Eles devem ser muito bem tratados por serem importantes para a independência dessas pessoas.

    • Cezar disse:

      Desde os tempos mais remotos o homem recebe ajuda dos animais, para o trabalho e também parta a própria sobrevivência em caso de ajuda quando estava mal ou para a segurança, inclusive da família. Hoje, comprovadamente, um precisa do outro para ter uma vida mais saudável. Além do fato que não podemos, não devemos e não temos o direito de barra-los, deveríamos incentivar ao máximo que cada vez mais façam parte da nossa vida, dos nossos momentos, da nossa frequentação em qualquer ambiente.

    • Cezar Augusto disse:

      Deveriam incentivar para que entrassem cada vez mais.

    • Dottor Dog disse:

      Agradecemos ao seu gentil comentário no nosso blog. Temos muito ainda que aprender sobre o amor que os animais podem nos dar, sobre aimportancia de quanto eles nos amam e sobre o quanto podem ser importantes contribuindo socialmente para o nosso bem estar. Estamos na estrada certa, mas ainda falta muito. Chegaremos lá. Um grande abraço em nome da equipe Dottor Dog.

  3. Ritacwb disse:

    As vezes penso que meu avô gosta mais da Bela do que de mim.

    • Julio C. disse:

      Acho que não…. deve ter amado as duas. São amores diversos com a mesma intensidade.

      • Cezar Augusto disse:

        Correto. E amor é amor. É o suficiente que seja um ser vivo e nasce a possibilidade de dar e receber amor. Independentemente de qual ser seja.

    • Cezar Augusto disse:

      Você aprontou com ele alguma vez e pode ser que a Bela não? rsrsrs
      Vocês são dois seres importantes para ele, talvez na igual medida

  4. Cleuza Aramal disse:

    Vocês são uma clínica?

    • Dottor Dog disse:

      Sra. Cleuza. Não somos uma clínica. gostariamos muito de se-lo mas o nosso trabalho é oferecer aos nossos clientes, planos de saúde e seguros para os pet e no nosso cartão de descontos que é o PetCard DottorDog. Para saber mais, faça um tour aqui no nosso site. teremos o prazer de servi-la e de melhorar a qualidade de vida do seu pet. Um grande abraço em nome de toda a nossa equipe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *