Alimentos Não Indicados aos Pets | Dottor Dog
A Páscoa e o Perigo do Chocolate aos Cães
23/03/2016
Noções de Primeiros Socorros
29/03/2016

Alimentos Não Indicados aos Pets

Recebemos por e-mail e mensagens em nossa fanpage algumas dúvidas referentes a alimentação adequada aos pets. Alguns tutores nos relataram que não alimentam seus pets com comida caseira comum e outros alegaram que seus cães possuem reações alérgicas com algumas rações.

montagemcomida-660x660Para sanar todas essas dúvidas, vamos conversar hoje sobre os principais erros na alimentação dos nossos pets, principalmente os cães, já que os gatos são menos sensíveis nesse aspecto.

Muitos pets – principalmente os cães – ficam irresistíveis com aqueles olhares pidões quando nos veem comendo ou beliscando alguma coisa. Seja por amor ou dó, 99% de nós simplesmente não resistimos e damos a eles um pedacinho, ou dois, ou três…

É uma atitude considerada errada pela maioria dos veterinários. Mas a Dottor Dog avalia que o conceito do erro ou do acerto é um tanto quanto relativo. Tudo dependerá do que você estiver comendo e por isso listamos a seguir uma série de alimentos humanos que não devemos dar aos nossos pets.

Em geral, os gatos são mais sensíveis a esses temperos, mas os cães também podem ter desconfortos ao ingeri-los. Por sua composição química natural, esses alimentos podem causa irritação no estômago e no intestino, provocando danos nos glóbulos vermelhos.

Os sintomas não são imediatos e podem demorar alguns dias para que se manifestem. E cabe salientar que as cebolas devem ser evitadas de qualquer forma, ainda que crua, cozida, assada ou até mesmo desidratada.

Se para nós humanos e com um metabolismo mais avançado já é complicado ingerir muita gordura, imagine-se no lugar do seu pet com um metabolismo limitado.

A gordura poderá causar problemas de obesidade, provocar gastrite e até mesmo problemas cardíacos, problemas estes cujos tratamentos não são nada baratos.

Estando cru, em qualquer um desses alimentos é possível encontrar bactérias como a E. Coli e a Salmonella. Os efeitos no organismo podem ser:

  • Dor abdominal;
  • Perda de apetite;
  • Febre;
  • Vômito;
  • Letargia;
  • Diarreia (às vezes com sangue).

Considerando que os cães não metabolizam o açúcar no organismo, você tem três grandes motivos para afasta-lo da dieta do seu pet, mesmo que ele seja um gato: problemas odontológicos, obesidade e diabetes.

Eles amam determinadas coisas doces pelo aroma convidadito e pelo paladar prazeroso. Mas lembre-se dos riscos citados e evite o açúcar sempre que puder.

Leite, queijo e quase todas as bebidas lácteas não são recomendadas na alimentação dos bichinhos. Eles não possuem a lactase – enzima responsável pela quebra da lactose – em quantidade suficiente no organismo.

O único iogurte recomendado é aquele 100% natural, em doses pequenas. Já o queijo, além de ser derivado do leite, possui os efeitos das gorduras citados no item B.

Eles adoram roer um osso de vez em quando e nós achamos “bonitinho” a forma como eles o fazem. Mas essa fofura toda pode esconder alguns perigos.

O ideal é oferecer um osso cru, pois está em seu estado mais sólido e dificilmente soltará aquelas lascas que podem se alojar no sistema digestivo. Mas cabe salientar que os ossos podem causar prisão de ventre e as lascas podem causar engasgamento do pet.

Grande parte das massas são feitas com algum tipo de levedura que se encontram no fermento. Elas causam gases que se acumulam no sistema digestivo do animal.

Além da dor causada por esses gases, pode também ocorrer obstrução do estômago e do intestino. Em alguns casos, o quadro se agrava com a distensão dos mesmos.

Existem algumas frutas saborosas aos humanos que jamais devem entrar na dieta pet, ainda que em quantidades pequenas.

As uvas passas podem causar insuficiência renal ou causar reações adversas em outros problemas de saúde que o pet já possua. Por isso, jamais dê ao seu pet aquele restinho de arroz com passas que você não comeu.

Já as sementes de ameixas, caqui e pêssegos atuam como agentes inflamatórios capazes de causar até mesmo a obstrução do intestino.

O abacate tem em sua composição a persin, uma substância que pode provocar vômitos e diarreia nos pets.

No caso da macadâmia, o pet poderá mostrar sinais de fraqueza, tremores, vômitos, aumento da temperatura e depressão. São sintomas que duram em média até 2 dias (48h). Nestes casos, leve seu bichinho ao veterinário para uma avaliação.

Delicioso e de paladar inigualável, é muito comum que seu pet também seja um chocólatra. Conheça todos os efeitos nesse post especial sobre o Chocolate.

A cafeína está presente tanto no café e no chá como em outras bebidas estimulantes, sejam naturais ou industrializadas. Os efeitos são os mesmos causados pelo chocolate.

O café, além da cafeína, contém xantinas, uma substância que pode causar danos aos sistemas nervoso e urinário.

O álcool de uso doméstico raramente será ingerido por um pet. Pode ser que ao ser usado e se o animal estiver por perto, o máximo que acontecerá serão alguns espirros devido ao faro apurado.

Contudo, se ocorrer a ingestão do álcool por meio de bebidas que o contenham em sua composição, seu pet poderá ter problemas como vômitos e diarreias. Mas quando esse consumo é alto, o quadro pode se complicar com a redução da coordenação, dificuldade respiratória, tremores, depressão do sistema nervoso central, acidez incomum no sangue, coma e falecimento.

Muita calma agora porque o assunto é delicado e uma compreensão indevida pode gerar transtornos para a saúde do seu pet. Portanto, leia este bloco com atenção e verá que buscamos o maior nível de imparcialidade possível.

Alguns veterinários indicam apenas a ração como fonte de alimentação animal. Outros indicam a ração e algumas frutas e legumes como complemento. E há ainda aqueles que abominam a ração e indicam somente a alimentação natural. Com certeza você já deve estar se perguntando: “E qual deles está certo?”. Pois essa resposta quem dará é você, tutor. Mas para que isso seja possível, precisará avaliar uma série de fatores, como o perfil do seu pet, o histórico de saúde dele, o porte, a quantidade média de consultas anuais e a forma como seu veterinário o examina. Sim! Dependendo de como é realizado o atendimento, pode ser que você precise mudar de veterinário e escolher um que seja mais minucioso e detalhista ao examinar seu pet, daqueles que perguntam diversas coisas mesmo conhecendo o histórico do paciente que tem.

Existem grupos de veterinários que indicam a ração como origem única na absorção de nutrientes, vitaminas e minerais que o pet precisa. Eles geralmente avaliam os produtos que compõem a ração em seu processo de fabricação e estão atentos quais marcas melhor correspondem àquilo que estudaram na universidade e acabam indicando aquelas que serão capazes de suprir as necessidades do pet de acordo com o porte e a raça. Perceba que ao receitar um determinado tipo de ração, este veterinário lhe dará no mínimo duas opções de marcas.

O segundo grupo visa a alimentação mista, composta por ração, frutas e legumes, indicando via receita quais desses produtos naturais são mais adequados ao porte e à raça do seu pet. Isso ajuda a reduzir possíveis problemas com alergias e outros relacionados ao sistema digestivo.

O terceiro grupo é contra o uso de rações por diversos motivos, mas o mais citado entre eles e que mais assusta os tutores é a atribuição da ração aos casos de câncer, tanto nos cães quanto nos gatos. Acredita-se – após alguns estudos – que as rações industrializadas possuam sim a nutrição necessária, mas o organismo delicado dos pets não se adapte tão facilmente aos conservantes como o organismo humano.

Após tantas informações, a melhor forma de adequar a alimentação do seu pet é por meio de um profissional da área. Existem veterinários com especialização em nutrição animal, mas de modo geral, todos os que atendem clínica geral podem prescrever soluções básicas.

11 Comentários

  1. Rosana Tavares disse:

    Não entendi, leite pode? Osso pode?

    • Dottor Dog disse:

      Olá Rosana,

      O leite não é recomendado devido a baixa quantidade de lactase (enzima) no organismo dos pets. Nós humanos a possuímos em maior quantidade e conseguimos ter uma digestão fácil do leite. Caso o seu pet goste de leite, dê a ele porções pequenas de até 150ml no máximo 2 vezes na semana, independentemente do porte.

      Já os ossos, recomendamos que sejam dados os ossos crus por serem mais rígidos e não soltarem lascas com facilidade, o que poderia prejudicar o sistema digestivo do seu bichinho. Mas não dê em excesso, pois alguns animais podem sofrer com prisão de ventre.

    • Dottor Dog Dottor Dog disse:

      Obrigado por participar do nosso blog Sra. Rosana. Respondendo as suas perguntas, lembramos que todos os animais mamíferos, depois da desmama, não deveriam tomar leite. Quanto aos ossos, não deve esquecer-se que em natura, estes animais são carnívoros e por isso, os ossos fazem parte da alimentação deles, desde que não sejam cozidos. Um abraço em nome da equipe Dottor Dog

  2. Rosana Tavares disse:

    Tenha um Labrador de 11 meses e uma vira lata de 10anos, nos finais de semana dou a elas comida caseira, carne sem gordura cozida,arroz com cenoura ralada e ração misturada, é saudável para elas?

    • Dottor Dog Dottor Dog disse:

      Sra. Rosana. Certamente que a dieta alimentar que a Sra. propõe ao seu animal é equilibrada. Lembrar-se sempre de dosar em quantidades aceitáveis, pois uma dieta assim tão rica, poderia levar o animal a um aumento excessivo de peso o que não é por nada aconselhavel, visto que a obesidade tmbém afeta os nossos amiguinhos a 4 patas. Um abraço do grupo Dottor Dog.

  3. Rosana Tavares disse:

    Todas as frutas são proibidas. ?

    • Dottor Dog Dottor Dog disse:

      Certos animais, comem normalmente frutas sem nenhum problema, enquanto que outros podem ter diarréia. Aconselhamos a Sra. a observar o comportamento do seu animal quando come frutas. Nunca de excessivamente. Um abraço

  4. Shirlei Garcia disse:

    Gostaria muito de receber uma receita simples de comida caseira q alimente bem meus dois cães (porte pequeno/médio) q não gostam de nenhum tipo de ração.

    • Dottor Dog Dottor Dog disse:

      Sra. Shirlei. Obrigado por participar do nosso blog. temos o prazer de poder contribuir para uma alimentação dos seus cães. Independentemente de quais ingredientes usará para a receita caseira que fará, damos algumas informações quanto ao que pode ser melhor para eles.
      Cada refeição do seu cachorro deve conter:
      50% de proteína
      25% de vegetais
      25% de carboidratos
      e a dose diária de proteína correta para cada cão é de
      1,5% do peso do seu corpo – para cães sedentários ou com excesso de peso
      2% a 3% do peso do seu corpo para adultos com um estilo de vida mais ativo
      5% do peso do seu corpo para os filhotes.
      Esperamos ter contribuído em qualquer forma. Saudações e nome do grupo Dottor Dog

  5. Amanda disse:

    Que legal. O Tufi agradece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *